Madruga

Madruga  
É preciso amar…  É preciso entender que não há tanto tempo e, ao mesmo tempo,

 há tempo para tanto e para tudo… Pressa para quê?  Chegar onde? 

As janelas estão no pc… Cadê as da vida?  Abertas , violadas ou apenas fechadas ???  

Os cílios coam as sujeiras do tempo, as lágrimas turvam a previsão… 

Já não há lágrimas e tantos choram! 

  Os poemas alentam, 

as músicas acalmam ou deixam eufórica a multidão. Poucos refletem e poucos pensam e tantos fazem sexo…

e fuxicam e estorvam-se a si mesmos. Derivar para quê? Pensar dói.

A filosofia foi banida, as histórias irrelevantes…

Não se contam mais as estrelas?    

Onde está você agora? No que pensa? O que o acalenta para dormir? 

Felizes os inocentes, estes descansam.   

 Bom dia noite inteira, boa noite dia que chega. Vou dormir e era preciso permanecer acordada… 

Alena Cairo

09 de janeiro de 2006