Pra não dizer que não falei das flores

“Se tens dois pães, vende um e compra um lírio”. Demorei na adolescência a entender. Nada ipse litteris. Adentrar o ciclo das rosas leva tempo, exige experiência e alma predisposta… A subjetividade desenvolve-se, a emoção aguça-se, o olhar aprimora-se, o lirismo lapida-se e sente-se até que, finalmente, irrompe em espasmos de êxtase e beleza…

Há que se entender a unicidade da rosa em Saint- Exupèry, depois não esquecer a anti-rosa de Vinícius e espantar-se com a flor de Drummond, aquela que nasceu na rua, furando tudo: o asfalto, o tédio, o nojo e o ódio… 

Há que se ler a rosa de Eco e ver o filme. Também é preciso assistir à Daniela cantando a rosa do Olodum com o público inteiro emocionado, com lágrimas nos olhos. Deve-se também deitar na cama e ouvir a rosa de Pixinguinha na voz de Marisa… Cantar alto como um mantra Pra não dizer que não falei das flores em momentos de fraqueza, de solidão, de busca ou de ‘suspiros poéticos e saudades’… Ainda é preciso andar cantarolando ao descobrir que “eu sou eu e você é você”, que ainda assim se pode dizer que “eu vejo flores em você”… Também se deve entender a efemeridade de todas as coisas (que justifica o carpe diem tão proclamado pelos ventos no mundo) depois de chorar no espelho até ficar cansada por constatar pasma a descoberta de que só “as flores de plástico não morrem”…

É necessário que muitas primaveras passem até que a compreensão exata das flores nos chegue e nos arrebate em jardins… assim conseguimos entender a majestade dos lírios do campo e contemplar a riqueza dos Canteiros.

Que bom então perceber que, de todos os aniversários, este foi o mais primaveril :

 

 Um aluno querido me enfeitou a alma com suas margaridinhas matizadas…

As meninas da 5a série me abraçaram com as margaridinhas amarelas. Oraieiê!

Uma aluna e minha avó entenderam que mulheres precisam de rosas…

E eu, um relicário de sonhos e romantismos, me dei estas orquídeas tão doces…

… e, como Érico me impressionou desde o passado adolescente, aquele Veríssimo, eu me lembrei de trazer  para a minha sala também os lírios do campo…

…porque, finalmente, aprendi que há aves no céu.

Anúncios

9 comentários sobre “Pra não dizer que não falei das flores

  1. Alena, que lindo post…Você merece rosas, muitas rosas, de todas as cores e formatos e rimas e sons. Porque aliás você tem parentesco com elas. Seja muito muito feliz. Faça o favor, ok? Beijos.

    ________________________________________

    Que lindo! Parentesco…? Tomara, mas também, graças, tenho espinhos (e espinhas- risos)!

    Farei o seu favor, sempre! Beijo

  2. Alena, que delicadeza de alma se entrevê em suas palavras… Que bela expressão do “feminino”. E que ânimo traz, ver alguém que não deixou que as agruras da vida, tornassem obseleta a doçura intrínseca de sua pessoa.
    Felicidades, novamente!

    __________________________________

    Emocionei… Nossa, lindo foi o que você escreveu.

    Obrigada, querido.

  3. Menina, obrigado pela resposta, por visitar meu blog, pelos comentários.
    Agora deixa eu chorar um pouquinho – buáááá – porque estou vendo que meu nick não foi bem escolhido. Porquê, como eu já esclareci lá na Fal (e em muitos outros lugares), eu sou mulé! Não quase mulher que nem a Vera Verão, mas mulher legítima, com todas as divinas partes que a natureza me deu.
    Eu devia trocar de nick, porque eu sei que ele dá lugar à confusão, mas eu gosto desse mesmo. Então, vou continuar explicando… fazer o que né? Além de mulher, sou teimosa! 🙂
    Quanto ao meme, fiquei encantada que você tenha aceito… A idéia do criador dele é (e vejo também que não está bem explicada no meu post) que se você achou o assunto interessante, escreva sobre ele no seu blog; e que convide outras pessoas que você gostaria que participassem da discussão. Eu adoraria saber o que você opina sobre o assunto,se vivemos numa blogosfera ou num arquipélago, e quais são os motivos pelos quais você bloga.
    Se gostou da idéia, participe. Acho que é uma discussão saudável, e uma boa oportunidade de conhecer pontos de vista diferentes.
    Um beijão pra você!

    __________________________

    Entendi que era mulher, escrevi e publiquei o comentário e quando o reli, vi que havia o erro, eta! Só que não dava para consertar mais. Não troque de nick, não. Quanto ao post, entendi também, só que ainda não tive tempo de escrever sobre isso. Para adiantar, blogosfera não é arquipélagoporque blog para mim não é ilha. Aguarde.

    Beijo

     😉

  4. Muito gratificante navegar pela internet e deparar com tão belas palavras a respeito da vida e flores. Tão bom seria se homens entendessem mais o universo feminino, com certeza dariam mais atenção a doçuras da vida, como a beleza de uma tulipa abrindo e fechando durante um dia frio.
    Sabe, encontrei um site que vende flores que achei super poético, inclusive, utiliza nomes de música em cada arranjo, vale a pena conferir.
    http://www.florencanto.com.br
    beijos
    Rubens

    __________________________

    Legal a  dica, vou olhar. Volte sempre , A Vida em Palavras está aqui…

    🙂

  5. Quero ser tudo na vida, minha doce e nem doce vida,
    Quero ser pranto da angustia solidão,
    Quero ser feliz te amando ou não,
    Quero ser feliz aceitando ou não, sua indiferença e o seu não,
    Quero a palavra sentida, vivida, no escuro ou clarão da vida,

    Quero apenas ser tudo em sua vida,
    Ainda que eu morra em vida,
    Não deixe meu querer ser esquecido.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s