Limpezas

Se me descubro eu, conheço o não de mim.

Então varro as minhas salas carregadas de histórias.

Sacudo os tapetes dos silêncios comedidos e bem educados.

Explodo em defesas que gritam a partir as louças e os cristais: só buscam o livre sorriso.

E me canso de toda e qualquer hipocrisia. Do marzipã do faz-de-contas de tantas pessoas. 

E sofro. E choro. E busco. E cavo para renovar. Para reinventar-me.

E sou.

O  Vento que baila livre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s