Retorno à Ítaca

Meio-dia. Sineta insuportável ecoa, crianças descem gritando e correndo pelos corredores. Esgueirei-me calada, cenho franzido. Três avisos coordenados: “não esqueça isto”, “não esqueça isso” e “não esqueça aquilo”. Um pai tranca o carro dos demais. Uma perua buzina histérica. O alarme deu pane de novo. Quinze minutos para religar o carro. Engarrafamento. Buracos espalhados por toda a pista. Um renault bêbado samba na rua, ziguezagueando. Uma senhora de laranja atravessa fora da faixa, entre os carros. Vendedores ambulantes com tangerinas e morangos à esquerda. Insistem, insistem, insistem. Flanelões maiores de idade, homens sem camisa, com o nariz esmagado no vidro do seu carro a olhar o que há dentro e a implorar um trocado. Semáforos vermelhos. Obras em toda a orla. Trânsito interrompido, tudo sujo nos canteiros de obras. Um gol faz barbeiragens. Um siena tranca o tráfego no cruzamento. Quarenta e cinco minutos depois… Cheguei em casa, o controle da garagem não funcionou. O porteiro demorou a abrir o portão. O elevador estava no nono andar.  A empregada jogou fora o meu chá caríssimo. A empregada esqueceu-se de fazer o feijão. Minha avó ligou para bater papo. Meu primo ligou para vir aqui. Minha amiga ligou para vir aqui também…  STOP! Almocei e fui dormir, que eu sou gente.