Saldo do sabadão

Resolvi tirar o dia para mim. Isso implica reclusão e fazer só o-que-eu-quis. Esperei até uma pessoa me ligar, mas parece que estava com outros afazeres. À tarde, naquele esquema depois do banho, deitei no ócio na minha cama e simpesmente dormi profundo. Concluo nestas horas que o sono sempre está atrasado quando se é professora.

O engraçado às 19 horas: lembrei que me esqueci (ô contradição!) de pegar os convites para o show de Nando Reis que já rolava na Concha Acústica (risos). Também, vai ver que o inconsciente se satisfez com a dose de quinta e resolveu desconsiderar a outra oportunidade.

Foi dia de arrumar gavetas e papéis. Jogar coisas fora.

Maior ato de coragem: jogar no lixo todos os arquivos de jornais velhos que tenho.

Maior arrependimento: ter jogado no lixo todos os arquivos de jornais velhos que tenho.

Atitude póstuma: ir ao lixo pegar de volta todos os arquivos de jornais velhos que joguei fora.

Pode?

Aí fico angustiada aqui pensando quando é que vou me livrar do excesso de papelada que eu tenho?  Vira e mexe, faço doações gigantescas. Fico aqui num trabalho de bibliotecária, separo sacolinhas para fulano, sicrano e beltrano.  Entretanto, arght!, tem horas que dá vontade de passar tudo pelo incinerador. (Ah, falar nisso, meu sonho de consumo mais imbecil é a trituradora de papel de escritório. Ainda compro uma bichinha daquelas [AS 870 CR] para ter o prazer de ouvir o tzzzzz tzzzz tzzzz… e ver o papel picotadinho. Se alguém se habilitar, rsrsrsr, aceito de presente!).

Agora, tarde já, um filminho que eu sou gente ainda. Quanto ao lanche, vou inventar que eu não sou traça.

Anúncios

2 comentários sobre “Saldo do sabadão

  1. Desfazer-se de objetos guardados é difícil demais: a gente sempre pensa que vai poder usá-los em alguma ocasião. O tempo passa e tudo se acumula. Por essas e outras Pierre Weil diz que a grande causa de todo o sofrimento humano se chama “apego”. Será?

    _____________________________________________________________________________
    Incrível, Cláudio, é que acho que não conheço ninguém que  mais dê as coisas do que eu. Tudo que não uso há tempo, me desfaço, escolho quem precisa e passo adiante. Roupas, sapatos, panelas, copos, toalhas… o que você imaginar. Meu carro vive cheio de sacolinhas para a doação. Mas quando o lance é trabalho… Nossa, meus papéis são difíceis demais de sair daqui de casa. Olha que vivo arrumando e rearrumando, mas tenho mania de guardar papel. Você não tem a mínima noção do trabalho que dá a papelada aqui. Também, são 13 anos de profissão, treze anos que sou professora. Imagina a quantidade de apostilas que produzi, de materiais que criei… Já estou pensando em digitalizar tudo e começar a doar. Na verdade, consulto o arquivo. Está tudo organizado e minha cabeça é rápida para criar materiais e fazer associações. Entretanto, ma agonia ver a quantidade. e se estiver desarrumado como estava… arght! Vou adquirir até dezembro meu incinerador particular!!! Preciso sim me desvencilhar destes apegos!! Por falar em apego, você não imagina a quantidade de fotografias e recordações de viagens que há aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s