Resenha do dia 01

Pronto. Votamos todos. É verdade que não havia opção.

***

Achei bonito um vendedor de castanhas na praia falar que  votou em C. Buarque  porque acredita que o caminho para o país é a educação. É bonito ver o homem do povo pensar assim.

***

Adorei a  propaganda ter sido banida. A cidade ficou muito mais limpa.

***

Não havia na tabela de pesca eleitoral os números dos presidentes. Muita gente se atrapalhou na hora de votar por isso.

***

Votei na escola onde minha mãe trabalhou por mais de quinze anos. A praça Maria Emília estava lá, no interior do colégio. Transportei-me no tempo e me lembrei da inauguração. Maria Emília era a excelente diretora daquele tempo. Li toda a Ciranda dos livros na sala dela. Era um tempo melhor no ensino público.

***

Um cartaz, na seção 88, com letras lindas, dizia que as línguas eram Português, Inglês, Italiano, Japonês e ESPANHOU. No tempo de minha mãe, não era assim. As professoras erravam, mas uma consertava a outra. Havia coordenação , vice-direção e direção. E o cartaz já estava velhinho na parede. Sinal de que há tempo os alunos lêem espanhou.

***
É proibido vender álcool em dias de eleição? Aqui na Bahia parece que não. Os bares da orla estavam lotados. Muita cerveja e vodka.

***

Não vi ninguém realmente feliz com as urnas.

***

O dia estava lindo; o sol, apaixonante; a vida é bela e é possível ser feliz. Mas eu estava cinza.

Anúncios