Iemanjá, dona dos mares e dos saveiros

 ” Judith soluça no quarto. É destino de todas elas. Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a  música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a Lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e nos jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens de terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestadedespedaçou.  Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais?Qual deles não sabe amar com violência e doçura? Porque toda  a vez que cantam e que amam, bem pode ser a última. Quando se despedem das mulheres não dão rápidos beijos, como os homens da terra que vão para os negócios. Dão adeuses longos, mãos que acenam, como que ainda chamando.

(…)

A música atravessa o cais para chegar até eles:

É doce morrer no mar…”

(Jorge Amado . Mar Morto.  p.24 e 25)

 

 “Para ver a mãe d’água, muitos já se jogaram no mar sorrindo e não mais apareceram. Será que ela dorme com todos eles no fundo das águas? (…)  porque a mãe-d’água é loira e tem cabelos compridos e anda nua debaixo das ondas, vestida somente com os cabelos que a gente vê quando a lua passa sobre o mar.

Os homens da terra (que sabem os homens da terra?) dizem que são os raios da lua sobre o mar. Mas os marinheiros, os mestres de saveiro, os canoeiros, riem dos homens da terra que não sabem nada. Eles bem sabem que são os cabelos da mãe-d’água, que vem ver a lua cheia. É Iemanjá que vem olghar a lua. Por isso os homens ficam espiando o mar prateado nas noites de lua.Porque sabem que a mãe-d’água está ali. Os negros tocam violão, harmônica, batem batuque e cantam. É o presente que eles trazem para a dona do mar. Outros fumam cachimbo para iluminar o caminho, assim Iemanjá verá melhor. Todos a amam e até esquecem as mulheres quando so cabelos da mãe-d’água se estendem sobre o mar.”

(Jorge Amado. Mar Morto. p.27)

Dia 2 de fevereiro foi dia de festa no mar.

O Rio Vermelho daquela profusão de gente e cores e baianas e flores e festas e bebidas e presentes e pessoas… é, simplesmente, assim no cotidiano, num dia nublado qualquer da cidade da Bahia.

Anúncios

8 comentários sobre “Iemanjá, dona dos mares e dos saveiros

  1. Sabe sempre que se aproxima essa data eu penso que se Iemanjá pudesse pedir alguma coisa ela diria: Não sujem minha casa, não mandem cestos, perfumes, não joguem esgoto no meu mar” algo desse tipo, presente mesmo seria nunca sujarmos.
    ____________________________________________________________

    Também viajo nesta história de poluírem o mar… não precisava. Há outros tributos, comoa música, por exemplo. Mas crença é crença, que as respeitemos!

  2. Acho linda a festa de Iemanjá, mas o mar não precisava ser poluído. Vamos fazer o nosso pedido em pensamento e acreditar ” que tudo é possível aquele que pede, que crê, pedi e recebereis…”Jesus Cristo.
    ________________________________________

    : *

  3. “é doce morrer no mar
    nas ondas verdes do mar

    saveiro partiu de noite, foi
    madrugada, não voltou
    o marinheiro bonito,
    sereia do mar levou

    nas ondas verdes do mar, meu bem
    ele se foi afogar
    fez sua cama de noivo
    no colo de Iemanjá”

    Eu acho dia de Iemanjá sempre um dia emocionante e um tanto quanto reflexivo…
    Se do azulejo branco da sala de aula tiramos tantas coisas… Do mar então!!!
    Beijo!
    __________________________________________________

    Mila, adoro suas intervenções aqui no blog! Maravilha! E as canções que coloca…
    Hum, adorei sua lembrança sobre a minha viagem com o azulejo na sala de aula!

    Beijão

    😉

  4. olá,muito legal o que vc disse da mãe iemanjá,pois eu tb axo o dia dela muito especial para mim!!!!!!uma coisa não tens mais fotos dela???obrigado bjuxx

  5. eu só estou perguntando por perguntar mais o trabalho de vcs é muito lindo!!!!que a mãe iemanja traga muita felicidades a vcs!!!bjux boa semana para vcs…

  6. Pingback: Dia de festa no mar « A vida em palavras

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s