Mestre Haroldo… e os meninos

Mestre Haroldo… e os meninos  está em cartaz de sexta a domingo às 20 horas na Sala do Coro do Teatro Castro Alves. A peça de Athol Fugard conta a história de Reri, um adolescente branco filho da dona de uma lanchonete onde trabalham Samuel, um garçom negro de 50 anos, e Valney, faxineiro negro  de aproximadamente 45 anos.

O velho Samuca criou Reri, muitas vezes fazendo-lhe o papel de pai uma vez que este, na verdade, era um alcoólatra inveterado. Estudou com o menino, ajudou-lhe com as lições, empinou pipa e carregou-o no colo nos momentos difíceis. O menino cresce e, adolescente impiedoso, diz impropérios ao velho Samuca, cospe-lhe na cara e exige que o trate por Mestre, assim como o Valney já fazia.

O clímax da peça ocorre em meio às gargalhadas do adolescente que repete ao velho Samuca a piada racista que o seu pai biológico lhe contava repetidamente no lar. A revolta de Samuca faz da tensão grotesca que se forma um momento lírico de libertação do preconceito, da discriminação. Uma lição de moral e amor.  

Gideon Rosa, no papel de Samuca, emociona uma sala inteira e rouba, literalmente, a cena, protagonizando o conflito que Athol Fugard, autor africano, transpôs para o teatro num ato único. Como Mestre Haroldo, o ator Igor Epifânio e, como Valney, José Carlos Ngão.

A peça, ambientada numa lanchonete dos anos 50 na África do Sul, nos remete ao Brasil que também discriminou nas fazendas escravocratas as amas de leite e os pajens. Um Brasil que gerou filhos brancos preconceituosos capazes de humilhar aqueles que mesmos que os criaram na infância.

Ao final do espetáculo, os atores bateram um papo conosco. 

Anúncios

Conselhos úteis do leitor de Nuno Cobra

– Ô, menina, você tem que rever este seu horário.

– Eu sei.

– Tem que dormir mais, você dorme pouco. E tarde…

– Ai, meu Deus, eu preciso é de tempo para mim. Eu quero dormir.

– Basta você se organizar.

– A questão não é esta. A demanda de trabalho é muito grande. O que eu preciso é ganhar mais e trabalhar menos ( eu e a grande parte da humanidade). Não é fácil se sustentar sozinha e manter as coisas todas.

– Tenho a solução: trabalhe sábado e  domingo.

– Mais ?

Nunca durma à tarde

– Mas o sono da tarde é para repor o mínimo de horas necessárias, já que eu chego às 23h em casa e saio às 6h40 da matina. Ou seja, durmo apenas seis horas diárias.

– Depois a gente conversa, você precisa dormir mais.

– Ai, ai… (quimera)

Ser

Você é aquilo que é.

E mais um pouco do que pensam de você.

Você é a projeção de seus fantasmas.

A loucura de suas desconfianças.

A explosão da revolta adulta que a sua infância impotente não lhe permitiu.

Você é o que o mundo lhe cobra e por isso é também o sufoco de seus quereres.

Eu vi a cara da morte

A cara da morte é desfiguração.

Os olhos ficam embaçados e perdem o viço.

Uma nuvem quer apagar a vida enquanto o corpo ainda resiste,

relutante, a aceitar que  perece.

A névoa apaga o olhar.

Tira-lhe o brilho, tira-lhe as lembranças.

O corpo fenece lentamente, treme um pouco, sua.

Frio, muito frio.

.

Um gemido agoniado,

um revirar de olhos,

um suspiro de quem não queria ir.

É findo. Terminou.

.

Os vasos entopem, o líqüido derrama.

Pinga do corpo estendido: necrotério de sonhos.

Mãe.

Um dia

Photobucket - Video and Image Hosting

Um dia a gente se cansa

de ter sido tantas vezes girassol:

rodar em torno de si,

com raízes fincadas na terra

a mirar um sol que se põe distante

porque ilumina outros planetas.

.

Neste dia, leoa, leonina,

mulher e menina

se descobrem sol,

astro, luz, força, fogo e calor.

E renasce criança, moça de dourados sonhos.