Programa fútil

Ahahaha… teve gente que aventou as hipóteses mais culturais possíveis… Até e-mail eu recebi. Ontem, simplesmente, fui passar uma horinha do meu dia na inauguração do shopping Salvador. Honestamente? Nem fedeu nem cheirou. Corredores de lojas similares a todas as demais dos outros centros comerciais com produtos já conhecidíssimos dos consumidores. Zero novidade.

Multidão de alucinados ensandecidos por descontos de 10 reais em lojas de eletrodomésticos. As pessoas se empurravam e se acotovelavam. Os estabelecimentos fecharam as portas e colocaram seguranças para evitar os arrastões (como o que houve na propagadíssima inauguração do primeiro supermercado da rede G. Barbosa em Salvador).

Um som ensurdecedor na praça central amplificava o que a orquestra tocava e poluia infelizmente o ambiente. As lojas âncoras seguiram o mesmo pressuposto de que música animada estimula o consumo. Só lhes esqueceram de dizer que o volume também afasta os consumidores.

Gastei R$1,50 em uma água com gás e saí de lá menos de uma hora depois para um japonês delícia na av. Paulo VI. Eu, hein?! Quero mais é ser feliz.

_____________________

P.S.: Não parece época de Natal ? Adoro quando saio da minha rotina de correções e constato quanta gente não tem o que fazer a bater perna durante as tardes.