Estupefacta

Uma das sensações que tenho quando revejo as fotos de viagem à Grécia é de estupefacção. Fico parva pensando em como é mesmo que eu fui parar em Atenas.

Tudo começou, na verdade, na minha infância. Minha mãe me dava livros de presente e eu lhe pedia todos, enchendo a paciência dela como Drummond a de seu pai quando lhe pedia a Biblioteca Verde de percalina. Eu tinha o plano secreto de ler todos os livros do mundo. Naquele tempo, eu não sabia quantos eram todos-os-livros-do-mundo.

Os vendedores de livros viviam de porta em porta a vender suas obras de capa dura e recheadas de histórias das mais maravilhosas. Para uma menina que vivia na cidade grande e cuja mãe não permitia brincar na rua nem com vizinhos, criada em redoma e protegida, a descoberta dos livros foi algo assim estupefaciente. Eu amava ler. E me lembro de sair correndo pela casa com um livro recém lido, gritando toda feliz: LER É A MELHOR COISA DO MUNDO !

Por isso, por ser professora e porque eu realmente não dava trabalho deitadinha lendo sem parar, minha mãe fazia sacrifícios homéricos e comprava em não sei quantas vezes todas as coleções que os livreiros iam vender lá em casa. Lembro-me bem do dia em que o estranho chegou com a caixa cor de papelão, pesadíssima com quatro grandes volumes de capa preta. Distraí-me com os volumes infantis, mas já tinha as três outras coleções. Até que bati o olho nas letras douradas que anunciavam SÍTIO DO PICAPAU AMARELO. Compra, compra, compra! Mas mainha tomou um susto com o exorbitante preço  anunciado e deu aquele suspiro sobressaltado que lhe era tão peculiar. Insisti, argumentei, convenci. Não me recordo o que lhe falei, mas sei que eu tinha oito anos. Com a gravidade que cabe a uma criança, olhos arregalados de medo do que minha me acusava de conduzi-la a fazer, gastar muiiito mais do que podia, quase me arrependi de tanto insistir pelas 1916 páginas. Ela pagou em cheques, ralhou grave comigo: Tome, pronto! E agora faça o favor de não me pedir mais nada! E saiu disparada da sala como que para não voltar atrás e tomar os cheques da mão do homem.

Fiquei culpada, mas carreguei o pesadíssimo primeiro volume para o quarto, com medo da responsabilidade de fazer minha mãe ser presa por gastar aquela fortuna e não poder pagá-la. Meu pai ralhou com ela. Ela se justificou: mas a menina gosta de ler… Fiquei com medo dele brigar com ela. E logo minha cabecinha inventiva imaginou o homem dos livros como um sujeito mau a partir de então, um sujeito capaz de levar as mães à cadeia ou à dissolução do casamento. E desejei nunca mais vê-lo na vida.

No final do mesmo dia, recordo-me de ter sentado na sala da frente da casa e de ter lhe contado maravilhada as reinações de Narizinho, de lhe ter agradecido com uma seriedade muito grande e de lhe prometer que nunca mais lhe pediria livro nenhum. Eu ia ler aqueles livros até a eternidade de ficar grande e poder comprar meus próprios livros.

Assim germinou meu primeiro pensamento anárquico-comunista-democrático(risos): por que os livros não eram de todas as pessoas e não se podia pegá-los quando bem se entendesse sem que a sua mãe precisasse ir para a cadeia por isso? Era só o que eu pensava.

Foi assim que eu comecei a ler Lobato, foi assim que eu esqueci que havia rua lá fora e mergulhei na Grécia Antiga, no País das Fábulas, no Reino das Águas Claras e em tantos outros lugares mais com o pó de pirlimpimpim.

Então, quando eu cheguei ao quarto volume, já com 11 anos de idade (época em que concluí toda a leitura do Sítio), eu me sentei séria ao lado de minha mãe no sofá, com o livro tão pesado no colo e lhe disse: -Mãe, um dia eu ainda irei à Grécia. Ao que ela respondeu com as certezas que só as mães sabem passar aos filhos: – Vai sim, minha filha, vai sim.

___ * ___

Em 2005, a bordo do MSC Armonia, às 5 da matina, pude subir sozinha ao alto do navio e ver uma fina garoa a encobrir Atenas. Eu chegava ao porto de Pireus e não sabia bem se ria, se chorava, se acreditava ou duvidava, beslicava-me ou esbofeteava-me para crer que era verdade. Pireus era como eu imaginava e já fazia quase seis anos que minha mãe falecera. Então, vendo os raios de sol a iluminar a Grécia que amanhecia, eu ri e chorei:

– Mainha, eu não te disse que eu vinha?

Fui ao Olimpo, bebi néctar e comi ambrosia.

 

Anúncios

11 comentários sobre “Estupefacta

  1. emocionante.
    o enredo consegue ir a fundo e tocar na nossa alma.
    bem escrito, bem dito.
    bjs e bom fds.

    E a Mainha ficou embevecida de alegria por te ver lá em cima tu no Olimpo.

    ____________________________________________

    Obrigada, Fontez. Senti sua falta por aqui, mas eu também estava relapsa. Na verdade, sobre o texto, escrevi-o com emoção real. Saiu de dentro, sabe?
    Li teu blog todinho hoje(hipérbole). Volto para comentar.Aguarde.

    Beijos

    Alena

  2. Alena,

    relato comovente, do início ao fim.
    É sempre bom ler-ver-sentir-descobrir almas ligadas aos livros, desde sempre. E a presença-lembrança de sua mãe, pairando sobre todo o texto, enriquece-o de maneira especial.
    Parabéns!
    Vivina.

    _____________________________________________

    Que honra, Vivina! Você por aqui! Estou de novo no Olimpo…
    Obrigada de novo.
    🙂

  3. Está vendo, Alena!
    Ao que a Vivina disse, só acrescento que esse é o estado e disposição dos grandes espíritos: a estupefacção, como, aliás você sabe: Platão diz que a Filosofia, ou mesmo a filosofia, começa pelo espanto. E Aristóteles fala do Thaumatzéin.
    Eu creio que quem perde a capacidade de se espantar , de ficar estupefacta… ah!
    E não é à toa que minha palvra fave , você sabe: é flabbergasted!

    É o amor mais rico que se pode ter; pelos livros e claro, pela palavra.
    Um beijo e obrigada pela emoção.
    Meg

    __________________________________

    E o de mãe, Meguita, que é um amparo que consola a existência. Estou que não caibo em mim: só gente importante hoje aqui (risos).

  4. Nossa como escreves!Gostei.Ainda hoje apaguei meu blog daqui do wordpress,pq nao entendo nada de web.Mas estou no http://www.quemteclanaochora.blogspot.com.
    Encontri-te no sindromedeestocolmo.
    Parabéns!

    ______________________________________

    Vitoria, eu não consegui acessar o link. O que não entedndeu do wordpress? Talvez eu possa ajudá-la…

    Um beijo e que bom que veio por estas paragens…

    🙂

  5. Alena,
    Tem uma er.. bem, uma espécie de lembrança-presente para você.
    Lá no (nosso) Estupefacto;-)
    ali em cima , eu quis escrever “amor”
    beijos
    M

    ____________________________

    Meguita, nem se preocupe! É o tipo erro óbvio, até Machado os cometeu (risos). Dá para entender… Beijinhos

  6. Porque você leu muito é que escreve tão bem…E estou exultante de você usar meu texto na sala de aula. Que máximo ! Que seja bem legal, com os alunos e com os jogadores.
    Obrigadíssima.
    Beijos

    ___________________________________________

    Depois te conto como foi, Fefê. Nesta semana, selecionei alguns escritos de amigos blogueiros. Os alunos adoram… também, com tanta gente boa escrevendo na net…

    Mil beijos.

    😀

  7. alena, estava a escrever um comentario, e o seu blog fugiu-me…mas sou persistente!
    só quero dizer que sei o que sentiu com a ida a grecia. lá é tudo tão bonito,tão simples e elegante, que parece que foi fácil construirem toda aquela beleza.em qualquer recanto se sente o peso da historia. foi para mim uma alegria poder ter levado os meus 4 filhos, juntos, a visitar a grecia.penso que essas ferias fazem parte da herança que lhes vou deixar. Na Grecia, como em Roma, senti, quase – quase, o que é o sindrome de stendhal.
    continue a viajar e a contar-nos as suas historias
    um abraço
    mãenuela

  8. Menina você já tem livros publicados?
    Desculpe o tom íntimo se nem nos conhecemos, mas seu relato é feito de tal forma que a gente sorve suas palvras degustando as frases. Que maravilha, o relato e a forma de relatar.
    Se ainda não escreveu, escreva. Se já escreve me mande informações para comprar seus livros.
    Um abraço carinhoso,
    Graça

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s