Cor de couve-flor grafitti

Ahaha… a vida é bela e quando não pinta o que você quer, o melhor é comprar suas próprias tintas e dar uma corzinha na sua vida.

Meu escritório agora é cor de couve-flor grafitti:

 

Na mesma leva, resolvi que meu quarto entraria 2008 verdinho. Segundo a cromoterapia, verde é saúde, verde é prosperidade e verde é dinheiro (tudo de bom, tudo que eu quero!) uh lá lá!

Bons fluidos.

 

Se Maomé não vai à montanha…

… o puteiro vem à sua casa.

Antigamente(“nos primórdios”), quando eu era adolescente, saber que existia um lugar para fazer sexo onde só os homens entravam me deu uma curiosidade danada. Primeiro, achava injusto. Por que é que as mulheres também não poderiam ir? Aí descobri que as mulheres iam sim, mas na condição de prato principal.  O silogismo era lógico na minha cabecinha: a mulher é objeto então. E me revoltei.

Ora, cresci com as possíveis castradoras doutrinas católicas e familiares. Ai de minha mãe ao me ouvir falar assim. E ela ouvia. Porque eu conversava e dizia o que pensava. Na condição de mãe, tentava purificar a minha cabeça, mas cada vez mais me dava livros e me estimulava a estudar. Então não teve jeito.

Desde a época em que tomei consciência da condição existencial da putas, fiquei fascinada e deprimida. Fascinada porque pensava na possibilidade de uma mulher fazer sexo com quem quisesse, libido pura, desejo e prazer. Então descobri que não era bem assim. As mulheres putas ou eram escravas do dinheiro ou de sua condição social (às vezes de ambos).

Então percebi que putas não fazem sexo apenas com quem querem, mas com quem paga.

Das putas pobres, eu sempre tive dó. Não creio que a pobreza leve irremediavelmente à prostituição. Há quem seja pedinte, esmolé ou mesmo indigente. Mas é fato que há mulheres de vida difícil que dão o corpo em troca do alimento. Ou do dinheiro para comprá-lo. No âmbito da ficção, por exemplo, a cena mais chocante do filme “O nome da rosa” é para mim a que uma pobre medieva faz sexo com um monge franciscano para receber um frango. A equação é óbvia: sexo = a comer para não morrer de fome .

Outra situação é a da menina, moça ou mulher seduzida pelo novo celular ou pelo jantar ou hotel de luxo, que vende o produto a fim de gozar o dinheiro. É difícil do meu lugar social entender que o valha. O fato é que não se pode comparar ambas garotas. Que fique claro que não estou a atirar pedras, até porque a incompreensão para mim envolve é os freqüentadores das putas.

A mesma cabeça adolescente e anárquica que eu sempre tive perguntava-se desde jovem: mas por que é então que todo mundo não transa com todo mundo para se evitar o sexo pago? Na verdade, evitar-se o nojo de ter INTIMIDADE com quem não se quer? A condição de mulher traída já doía tardiamente (se considero o passado de minhas avós) e precocemente ( se entendo que tinha ainda 14 anos e já pensava assim) em mim. Sim, sentia a dor das putas que copulavam com homens que não desejavam e a dor das mulheres traídas em casa. Até eu entender que não ia salvar a humanidade inteira e que não era Madre nenhuma quanto mais Teresa.

Uma vez um amigo de quase 60 anos me explicou uma coisa: “Alena, a gente paga as putas para depois se ver livre delas”. Minha cabeça deu um nó e eu tinha 26 anos. Pensei, pensei e senti compaixão. Dele. Na varanda, várias conversas com o grisalho me levaram à conclusão triste: estes homens satisfazem o desejo biológico e depois querem ficar a sós. Pagam para ir embora. O gostoso do abraçar e dormir depois não havia. Nem com a esposa em casa, que o casamento estava falido, nem com as moças de aluguel.

***

Mas esta é só uma versão de um longo assunto sobre o qual ainda quero ensaiar bastante. Para ver se eu mesma entendo algumas coisas.

***

O fato é que, como não vejo televisão quase nunca, só hoje tomei conhecimento do vídeo no you tube da novela Duas Caras. E aquele lugar mágico, misterioso, proibido e ‘sujo’ que povoou minha imaginação durante anos foi simplesmente revelado tal e qual na novela das oito a todas as famílias que a ela assistem. A minha curiosidade de saber como era um puteiro, uma casa de show, não é mistério hoje para qualquer criancinha ou senhora de idade. Estou doida ou é vídeo erótico esta cena?

Nenhum puritanismo, por favor. Eu era criança e via novelas e achava as putas maravilhosas: eram mulheres maquiadas e exuberantes, sempre alegres e vestidas de forma exótica. Vedetes. Minha mãe precisou de muita castração para me ensinar que aquilo não era maravilhoso (kkkkk) . Eu era criança e o bordel de “Roque Santeiro” era a melhor parte da novela.

O realismo de certas cenas feitas para a família brasileira ultrapassa minha compreensão como no caso da cena protagonizada por Flávia Alessandra. E a necessidade de uma trama como essa também. É o quê? Necessidade de perdoar as belas enfermeiras (eta! lá vão estigmatizar uma profissão) que fazem programa para completar a renda e sustentar os filhinhos?

Qual o benefício sociopolítico destas ditas novelas engajadas? Creio que a ficção não precise de tanta verossimilhança. Em tempos de BBB, Casa dos Artistas, pornografia on line ou via webcam e cia, talvez seja eu mesma a antiquada.

o QUE fazer no meio da noite sem sono?

Trabalhar? Ah, que saco, nem pensar. Zanzar sem rumo pela net e tomar umas decisões sobre a vida, anotadas no caderninho de realizações próximas. Ao menos.

Que falta que sinto de morar numa cidade mais cosmopolita com academia funcionando 24 horas. Poderia ir malhar agora para não me arrepender tanto do churrasco de hoje. E amanhã tenho aula às 7h30.

Férias pra que te quero!

____ * _____

Ao menos mudei(melhorei) o programa: revi Quem somos nós?

Escrevi uma cartinha para uma amiga.

Embalei um presente para outra.

Decidi acordar bem amanhã.

A vida vale

Melhor momento do dia:

você vai à praia. ok

Você está na companhia de  dois amigos bacanas. ok

Ela não quer ir à água. O mar está revolto e bravio (eu adoro a praia assim também).

Ele quer ir. Você também. Vai junto então.

Despe-se do vestidinho e serelepe de biquíne entra na água que lava toda e qualquer ziquizira. Mergulha muitas vezes. Mais de sete que é superstição.

E, na hora de sair da água, tão bonitinho, ele te ajuda. Um amigo lhe dá a mão para sair do mar que te puxa sem parar. Fala sério! Isso existe? Confesso que achei uma coisa linda a gentileza.

Vazio de cortar (meu) coração

Tá.

Ré confessa.

Tem alguma coisa muito estranha acontecendo quando você sonha com umas urucubacas horríveis, acorda no meio da noite de domingo, triste, triste. Vê tv, assiste às péssimas resenhas esportivas, nenhum filme que valha, uma bagunça inimaginável de provas a corrigir… resta o pc, s.o.s. solidão, procuro no orkut, converso no msn, marco uns encontros com amigas, relembro o dia… e estou aqui a descobrir novos blogs (pasmem!) ouvindo aquelas melodias infanto juvenis de Sandy e Júnior com um vazio daqueles no peito. Merda!

Tô doida.

Falta o coração bater de novo.

Só pode.

O time sobe. O torcedor cai?

Sempre que alguém se refere a um torcedor do Bahia, associa a ele o adjetivo “doente”. É “Bahia doente”. Longe de ser perjorativa, a associação significa que o torcedor é apaixonado, é Bahia de corpo e alma, é Bahia de coração e que nada, mas nadica mesmo neste mundo, fará com que ele mude de time ou troque a camisa.

O time estava na série C do Brasileirão e a torcida apaixonada lotou o estádio da Fonte Nova em diversos jogos. Público de 60000 pessoas, mais de 50000 pagantes. Ingressos foram vendidos por cambistas até quatro vezes mais caros. Na hora H, não havia mais como entrar no estádio, lotado, sem nenhum ingresso disponível.

Salvador se vestiu tricolor: azul, vermelho e branco. As lojas no shopping venderam as camisas todas. As pessoas passavam orgulhosas nas ruas com bandeiras gigantescas. Os automóveis circularam pela capital baiana como se fosse final de copa do mundo.

O jogo foi meia boca. O time empatou. Não houve gols. Ainda assim, classificou-se para a série B. Trios elétricos aguardavam fora do estádio para carnavalizar o futebol. Mas a lona do circo caiu : a arquibancada desabou e cerca de dez pessoas caíram na rua de uma altura enorme. Seis morreram na hora. Três homens e três mulheres. Mais um morreu no Hospital Geral do Estado. Alguns mais ficaram feridos.

Era preciso ocorrer a tragédia para que houvesse vistoria? Era preciso que o anel superior da arquibancada desabasse para se falar em superlotação? Que teria ocorrido se o time desse uma goleada e houvesse o agito característico da vitória?

Sobe o Bahia, cai o povo.

Lamentável.