Se eu quebrasse todas as barreiras do possível,  neste exato momento,  gostaria de estar em Cancún, com os pés descalços, numa cadeira branca, sentada dentro da água do mar do Caribe.

Incrivelmente, eu brincaria com o dedilhar dos dedos dos pés, vendo a água transcorrer cristalina… e pensaria feliz no quanto é bom sorver a vida assim, despreocupada e feliz, enquanto quase todo o resto da humanidade vive sem pensar neste exato instante.