O sorriso de Alice

O sorriso de Alice tem algo assim de tão belo que derrete quem o vê. É largo, é meigo e é sincero, é espontâneo. É verdadeiro.

Descobri cedo, bem no meio da loucura pós-parto, quando eu me perguntava o que era que estava acontecendo comigo, ainda na primeira noite dolorida e desesperada da maternidade, quando eu não entendia ainda quem era aquele bebê que chorava em meu colo e que mamava quase sem parar, me deixando insana, foi naquela primeira noite ainda, no meio da madrugada, com menos de 24 horas de vida, que o sorriso de Alice me derreteu, me conquistou, me ensinou a amá-la.

Eu estava parada naquela cama desconfortável, à meia luz, com ela em meus braços, de frente para mim. Quem é você, bebê?  Como é que você saiu de mim?  Se eu não visse e não tivesse testemunhas referendadas, eu não acreditaria jamais que você era a minha filha… Quem é você, bebê? No meio das indagações e do estranhamento, sozinhas nós duas ( o pai dormia exausto no minúsculo sofá), Alice estava serena como um anjo ( não é metáfora!) e foi aí que sorriu pela primeira vez. Ou pela primeira vez que eu vi. E foi uma emoção indescritível. Aquela coisa que meio que aperta a garganta da gente, dá um nó, torna-a seca e se reverte em olhos marejados,explodindo num sorriso pleno d’amor. Foi assim. Foi assim que Alice me mostrou o seu sorriso.

Depois veio a apojadura, algo que nenhuma mulher merece. A cena é esdrúxula. Nem vou contar hoje ainda, deixa o trauma ficar mais distante. E a apojadura trouxe consigo o sentimento de incompetência. Incompetência maternal. Nunca pensei senti-lo. Mas o fato é que eu amamentei meio que por uma obrigação moral nestes dias. Porque não tinha vontade alguma. Só pensava em retirar meus seios  ( como se fossem um sutiã que a gente desconecta) e sair andando pelo mundo sem destino ( meio Forrest Gump) para nunca mais voltar. A vontade era desistir e a maternidade era entretanto irreversível. Como já falei, minha irmã foi fundamental. Alice sobreviveu a quatro peitos. Eu e Ilana a amamentamos. E nas minhas horas de desespero, Ilana a acalentava e dava-lhe de mamar. Falar deste desespero é preciso para voltar ao tema: o sorriso de Alice.

Pois era exatamente quando eu estava pensando em andar o resto da vida pelo mundo sem rumo, a vagar sem causa, sem sanidade, sem lógica, era exatamente neste momento que Alice sorria. E eu então permanecia ao seu lado, permanecia com o peito disposto a amamentá-la. E assim o amor vai brotando e adubando-se, dia após dia.

E tudo isso é porque eu preciso dividir que Alice agora sorri ao acordar e me ver, sorri porque reconhece o pai, sorri porque brincamos com ela, sorri se a nossa voz é doce, sorri se sente o cheiro de leite e sorri ao olhar os bichinhos do móbile em seu berço.

Uma doce menininha.

Anúncios

13 comentários sobre “O sorriso de Alice

  1. Que lindo, Alena! Fiquei com os olhos cheios d’água…
    Sua descrição de como nasce o amor foi perfeita. Que esse amor seja o elo de vocês por toda a caminhada que farão juntas, pelas suas vidas inteiras.

  2. Alena, uma criança sorrindo é lindo demais!
    Alice está no país das maravilhas,no aconchego do seu lar. Quando sorriu pela primeira vez, com certeza queria dizer, “OBRIGADA MAMÃE por ter me trazido aqui para essa terra de São Salvador.

  3. “Quem é você, bebê? Como é que você saiu de mim? Se eu não visse e não tivesse testemunhas referendadas, eu não acreditaria jamais que você era a minha filha… Quem é você, bebê?”

    … me arrancou risadas!

  4. Alena,

    fiquei emocionada, por dois motivos: o texto lindo e o nascimento de Alice, que desconhecia.
    Fiquei mais tempo do que devia sem te ler, e fui pega de surpresa, maravilhosa surpresa!
    Parabéns, e votos de – sempre – muitos sorrisos.

    Beijos da

    Vivina.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s