Domingo bom

Domingo bom, dormindo bem.

Começa assim, embora eu ame ver o sol nascer e, nestes dias especiais, eu fique com um bom humor incrível. Parece que eu estava presa, sabe com aquela bolota de ferro dos desenhos animados que fica amarrada no tornozelo por correntes? Pois é. Teoricamente, a pessoa pode ir e vir, mas com a mobilidade plenamente comprometida. A pessoa carrega um fardo.

Fechar ciclos nos liberta. E é incrível a sensação de bem-estar que experimentamos. Não, não me pergunto por que eu não fiz isso antes. O tempo foi o necessário.

Sei que as conquistas chegaram, os sonhos voltaram. E coloridos.

Gullar, como dois e dois… sei que a vida vale a pena. De novo.