Como cuidar sozinha de uma filha

Agora acho que esta será a minha próxima série. Eu fico realmente incomodada quando leio pessoas falando de como é bom e coisa e tal – como se fosse só a parte do paraíso esquecendo-se ou omitindo o padecer. Ah, tá. É bom, sim, mas as pessoas simplesmente se calam sobre as dificuldades? As dores nas costas? A exaustão ao fim do dia? A impossibilidade de fazer qualquer outra coisa? A dificuldade para cumprir tarefas simples? Para manter a casa arrumada? E dar atenção à filha?

O retorno de Alice

Hoje ela estava com a cara mais safadinha do mundo, um misto de maravilhamento e euforia. Parque, almoço fora e shopping (que me matou de cansaço). Chegamso em casa ambas quase mortas e dormimos juntas, abraçadinhas.

A dieta hoje ficou na cota, graças ao meu brócolis ninja, que me deu um surto de vontade de cozinhar e me fez surgir um caldinho delicioso, que eu chamei para Alice de sopa do amor. Tomamos juntas e ela, simplesmente, amou!

Depois me pediu o gagau e, lá pelas tantas, falou: mamãe, está delicioso esse gagau! Ao que eu lhe respondi: é o que mamãe faz, filha, é sempre com muito amor.

Tá. Ingressei definitivamente no clube das mães.

 

Três dias no VP pela milésima vez

Terceiro dia no VP e só consegui fazer as coisas mais ou menos direito no primeiro dia.

Análise do absurdo:

Dia 01

 

Dia 02

Dia 03

Conclusão: falta de rotina e desajuste emocional fazem tudo fugir ao controle. Ah, e necessidade ainda de me divertir muito. Creio que quando eu conseguir arrumar minha casa as coisas fiquem melhores na minha dieta.

Medida certa

Ganhei uma fita métrica. Achei-a hoje.

Não é que fui ver a medida errada (impublicável) para tentar chegar à medida certa? Anotei tudinho.

Agora é tomar coragem e ir dormir para malhar muito a partir de amanhã.

(Apesar de tudo extra, bem estar e beleza estão comigo #feliz)

Viver é afinar o instrumento

Tomei coragem, acordei tarde e resolvi ir à academia, ao VP… Por sorte, academia aberta, fui tirar dinheiro, mas resolvi ir logo no VP.  Tenho que decidir se vou fazer hidro, natação e musculação e spinning ou se vou fazer tudo ao mesmo tempo.  E isso implica custos.

No VP, decisão acertada(!?): paguei nova inscrição e agora tenho 16 semanas para reprogramar minha vida, emagrecer e adquirir de novo os hábitos saudáveis com prazer. Estou entusiasmada.

Depois , vi o mar lindo, lindo! Rumei para a Perini e comprei um brócolis japonês lindo, rúcula, alface americana e nozes, damasco, gorgonzola e pasta de alho, além do irresistível pão com ervas – que me mata e me faz lembrar um certo rapaz. ;D

Satisfeita, voltei para casa  e me brindei com este almoço delicioso:

foto

Coragem grande para emagrecer de vez, metas arrumadas e a certeza de que tudo vai dar certo.

* * * Up date: comprei roupinhas de malhar!!! Viva amiga que empresta cartão e divide em 4 x sem juros (risos)

 Com licença, vou ali, caminhar na praia…

* * *
1h 10 de exercício, exaustão quase!

* * * Fim de dia em companhia agradabilíssima de meus amigos Malu e André.  Bom papo no Mar na Boca.

 

Felicidade custa barato

Cá para nós, voltei à forma mesmo! Depois de um entediante dia, em que adio o trabalho absurdamente, de ligar para quatro amigas e não encontrar sequer uma disposta a sair …  arrumei mais e mais tralhas que estavam soltas por aqui e parti para o fogão. Não acredito e nem sei de onde tirei forças para fazer o que sempre fiz e o que sempre amei fazer: cozinhar! Entretanto, há muito perdera o gosto! É que família faz falta e eu levei muito tempo para me acostumar a ser não só eu, mas eu e Alice e uma babá. Acho que se fosse só eu e Alice, talvez fosse mais fácil na cozinha.

Preciso voltar à forma e aprender de novo a cozinhar para um, dois – acho que já encontrei a medida certa!

Pois não é que me brindei com um cálice de vinho do Porto, presente do reitor da Universidade de Portugal, e me deliciei com um maravilhoso parafuso tricilore ao sugo, com tomates italianos, três dentes de alho, sal e azeite português?  Comi como uma princesa. Como fazia falta o meu sabor!

De sobremesa, a prova de que felicidade é simples e custa barato: goiabada cascão e creme de leite nestlé.