Sempre Arnaldo

Já houve o meu tempo de “Socorro”… tempo em que “uma emoção pequena, qualquer coisa que se sinta… tem tanto sentimento deve ter algum que sirva.”

Tempo que passou. Chegou novo tempo. Novos contratempos. Normais. Ademais, ultrapassou-se fronteira do bom senso e do nonsense.

Catástrofes que pedem sono.

 

Hoje, perfeito: