Janelas da alma

Férias com a câmera na mão todos os dias… Já estou morta de saudades deste tempo. A partir de amanhã, providencio as férias da alma, meu olho vira uma objetiva, meu corpo ganha um membro a mais, robusta, reflex, e parto pelo meu dia-a-dia em busca da minha outra poesia cotidiana: a fotografia.