Se eu pudesse agora…

A música toca aqui para me lembrar de que um homem e uma mulher deitaram-se numa cama larga de sonhos, desejos, prazeres, ânsias e êxtases. Neste quarto quase escuro, na penumbra, uma luz tão clara nos olhos teus. E, nos meus, esperança de acordar um dia aninhada no pós-tudo do delírio, do gozo e do infinito de um amor que se revela tão insensato. Frágil possibilidade de não mais adormecer sozinha, com frio ou medo.

A música toca aqui e dá vontade de te ter ao meu lado, de deitar gostoso em teu peito e sentir a paz, a paz, a paz… A paz que me leva entregue a Morfeu, lavada de um suor tão teu e meu, tão nosso. A paz que me deixa simplesmente menina. A paz que sinto ao ver os teus olhos tão perdidos no infinito de estrelas possíveis para além do teto simples de um apartamento.

Não sei onde vai tua alma nestes segundos que ainda consigo ver antes do sono inocente. Teus olhos tão perdidos… tão longe, tão doces… e sinto o calor do teu peito, a cabeça assim deitada, e sinto as tuas mãos a acariciar-me os cabelos… Teus olhos tão perdidos… ainda os vejo mais uma vez… E sei que assim adormeço no colo teu.

             

____________________

A música é The dark night of the soul de Loreena . Só achei o vídeo com desenho no you tube. O desenho é besta. Mas gosto da música.

“Lata d’água na cabeça” – parte III

Sabe quando tu olhas no emiesseene se a pessoa te deletou? Sabe quando tu abres o outlook de minuto em minuto para conferir se a pessoa te escreveu? Sabe quando o telefone está na tua mão com todas as campainhas ativadas? Sabe quando tu estás torcendo para a pessoa estar acordada? Sabe quando tu abres o blog dela e dá uma saaaaaaaaaauuuuuuuudaaaaaade? Pois é. TÔ assim, toda Mad Alena: Louca e Madalena. A arrependida.

“Lata d’água na cabeça” – parte I

Sabe quando você se excede? Sabe quando você fala besteira para uma pessoa muuuuuuuuuuuuuuito importante? Sabe quando você fica à noite, depois de acordar da bebedeira, sem dor de cabeça física, mas com consciência pesada, pensando em como vai pedir desculpas e com vontade de atrapalhar a madrugada alheia com um meloso telefonema do tipo vem-para-cá-correndo? Sabe quando você sente falta? Sabe quando você é malucamente louca e afasta quem você quer cada vez mais perto? Sabe quando a banana do personare te avisou para não falar besteira, mas você falou porque afinal é (ir)racional e tenta não acreditar nestas coisas astrológicas que sempre dão certo com você? Sabe quando você fica com cara de cachorro arrependido e bico de criança?  Pois é: tô assim.

O curió nunca mais cantou

Trilha sonora do post: Aquarela 

“Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo e com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo… num  instante imagino uma linda gaivota a voar no céu.”

O tempo muitas vezes nos passa desapercebido. Ontem à tardinha, com o pôr-do-sol e a T.P.M. chegando, calculei-o. Faz já 11 anos. Então a sensação exata de um terço da minha vida caiu de forma bombástica sobre mim. 

Ele era o galã. Bonitão. Todas as histórias falam disso. De um homem de 1,86 de altura, loiro, olhos cor de azeitona, braços fortes, peito largo, carro bonito. É, é a cara dele falar de carro bonito. Impossível esquecer a camisa aberta e o correntão de ouro contrastando com a loirice de seu peito. E o cabelo fino voando ao vento. Se eu fosse menino, seria o seu companheirão. Só que nasci mulher. E virei a sua princesinha.

Foram só dois anos em que fui filha única, mas os mimos me estragaram para todo-o-sempre-amém. “O que você quiser, eu faço por você, minha filha”. “Qualquer coisa, pode pedir a seu pai”. Frases mágicas. “Não peça nada a ninguém, seu pai faz tudo por você”. E fez.

Bebezinha, com dois anos ou três, eu já queria que ele tirasse todas as pessoas da praia, para ela ser só minha. Imagina! O mar era todo meu, porque Deus fizera ele “só para mim”. Assim ele dizia de todas as coisas. Íamos, então, às praias desertas. Minha mãe ajeitava a feijoada ou a farofa e cia para o churrasco e nós viajávamos para longíííínquas enseadas, afastadas do centro urbano, onde eles pescavam em paz e a gente aproveitava para se sentir o centro do universo. Pai, mãe e filha. Depois, mais duas meninas. Itacimirim, Guarajuba, Barra do Jacuípe, a própria Praia do Flamengo, há 30 anos, era deserta. Lembro de irmos a Stella Maris pescar atrás do velho hotel abandonado. E não pensem que ele ficava absorto, não: cuidava da minha varinha de bambu também, que era grande (talvez por isso eu tenha esta megalomania – risos).

“Pinto um barco a vela branco, navegando, é tanto céu e mar num beijo azul”

Amava muito o mar. Os barcos. Os trens. O avião. Os discos voadores. E a pipa colorida no céu, que eu também empinei com ele.

“Tudo em volta colorindo com suas luzes a piscar. Basta imaginar e ele está partindo, sereno indo, e, se a gente quiser, ele vai pousar.”

Livre arbítrio. Com ele aprendi que muitos caminhos diferentes levam ao mesmo lugar, que a rotina pode ser diferente todo dia.  E que há também muitos diferentes lugares, porque o mundo é grande e pode caber num círculo de um compasso.

Lá em casa, era uma sinfonia de curiós, seu passarinho preferido. E as gaiolas eram lindas, todas douradas. Me lembro do som sony e do gosto por eletrônica que dele herdei. Havia um tal de um lp chamado O canto do curió que, segundo ele, servia para os bichinhos aprenderem a cantar. E a gente ouvia isso no finde a manhã inteira, quando parávamos em casa – coisa rara. Sua máquina Olivetti era só nossa. Só nós dois datilografávamos. Ganhei Atari e a criatura superou o criador: eu, moleca, vencia todas as partidas de Pitfal e River Raid. No Enduro, ele era melhor.

Ensinou-me o nome de todos os carros e brincávamos de adivinhar qual seria o próximo a passar: chevette, fiat, caravan, puma, brasília, fusca, parati, dodge… eu sabia todos. Eu gostava, por isso, era de brincar de carrinhos com meu primo da mesma idade, mas também me lembro do dia em que ele me pegou dando de mamar à feijãozinho verdinha de mão rosa e touca na fila do ferry-boat e se enterneceu. “Que bunitinho…Olhe, Ane, ela tá dando de mamar à bonequinha” . Senti tanta vergonha do peito que precisei virar mulher para deixar de senti-la.

Nós íamos à Fonte Nova torcer para o Bahia, o meu time por herança, mesmo que eu não assista hoje a um jogo sequer nem ligue para futebol. “Somos da turma campeã… somos da turma tricolor…” No meu carro, há no pára-brisa o adesivo do Baêa, pelo lado de dentro, porque só eu preciso ter as minhas recordações, não é?

Lembro que ele gostava de biquíne curto e nos ensinou que não havia imoralidade nestas coisas nem no namoro nem no sexo. Na adolescência, me levava sem ciúmes para ver meu namorado trinta vezes que eu quisesse. Festas? Fomos a todas. Ia levar e buscava sem reclamar uma vezinha sequer em qualquer madrugada e a qualquer hora. Dava carona a todas as minhas amigas, não importava onde morassem.

Imoral para ele era a mentira. “Nunca minta para seu pai.” “A pior coisa do mundo é a mentira”. Aprendi a lição, embora soubesse quando a cara descarada dele estava rindo por mentir. E que cara! Ensinou-me as malandragens da vida: sabíamos como ‘roubar’ no jogo de baralho, sabíamos que a bolinha na forminha de empada no meio da rua era um truque desonesto para pegar dinheiro dos bestas. Mas colávamos moedas com superbonder no chão de bares ou restaurantes para rir do pessoal que se abaixava (ô crueldade!)

Nunca chegava em casa de mãos vazias. A gente descia as escadas correndo e perguntava : “trouxe o que para mim, meu pai?”. Umbu, seriguela, bombom, tamarindo, um pintinho de dar corda, lápis de cor (adorava desenhar), uma tranqueira vendida por camelô… o que fosse. 

Comíamos sonhos na padaria e pão doce, algodão doce e maçã do amor nos circos. Os parques… fui a todos. A roda gigante era a nossa preferida. E o carrinho bate e volta me fez chorar, fazendo que ele entendesse que eu era mesmo menina. Para ele, o palhaço era o melhor, ria sempre de todos eles e dos programas bestas da tv. E se auto-intitulava o PAI-AÇO. Nestas horas, inchava o peito, fazia muque e careta, dizendo que era o Incrível Hulk. Juro que eu tinha medo dele ficar verde e saía correndo, acreditando mesmo que isso fosse possível.

Pintava, brincava, dançava. Rebolava se a música da moda era Requebra (Olodum). Chamava minhas amigas de macacas… e ria e ria e ria. Agora parece que eu estou vendo a gente chegando da praia, as três meninas de biquíne, mainha entrando em casa e a torneira do jardim sendo aberta. Ele lavava o carro e a gente ajudava. Nesta maluquice, daqui a pouco já estávamos todos brincando de abominável homem das neves, branquelos da espuma do sabonete. E eu aprendi com ele a fazer bolha de sabão com a boca. Até hoje faço isso!

Quantas vezes saímos de carro pelo mundo, 3, 30, 300 ou 3000km livres? Viajar era lei, curtir a vida um prazer. As coisas funcionavam assim: “vamos ali” – e as malas sempre estavam prontas lá em casa porque, de repente, o passeio virava uma viagem. “Nunca fique sem fazer xixi, peça sempre que seu pai pára o carro.” 

Bom, que mais dele herdei? O nariz, o cabelo mais claro (o de minha mãe era quase negro), o porte, a alegria, o falatório, o gosto por papéis e curiosidades. O gosto também pelas pessoas e pelos lugares.  Dou carona a quem precisa sempre, não tenho preguiça de dirigir, faço favores. E ralho com voz de trovão, como ele bem sabia fazer. Nunca me bateu. Sequer um tapa na mão. 

Com 11 anos, eu caí da escada de casa e quebrei o braço. Aquele homem gigante, em poucos minutos arrastou-se até a escada. Recém operado, sentado e impotente diante do meu braço quebrado, chorava e perguntava: “meu Deus, por que isso não aconteceu comigo? Por quê?” Foi assim que eu descobri o que é amor. E que só um pai é capaz do incondicional.    

“ E o futuro é uma astronave que tentamos pilotar. Não tem tempo nem piedade nem tem hora de chegar. Sem pedir licença muda nossa vida e depois convida a rir ou chorar. Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá… numa linda passarela que um dia enfim… descolorirá”. 

Te amo e o tempo não varreu isso de mim.”

Eu, meus queijos, meu vinho

É quinta à noite e me acostumei a celebrá-la. Antes, tempo farto de amor, era dia de comida árabe ou italiana, homem chegando às seis em casa, música romântica escolhida por ele na sala.

Havia tempo para uma dança. Havia uma cerveja partilhada ou um vinho a dois. Havia uma varanda e uma Lua no céu. E o mar, mar , distante mar…

Hoje há a doçura, há o vinho, há o sonho, há a mulher. Há queijo Gruyère, Gouda, Brie e Gorgonzola.

Há boa música e quatro travesseiros me esperando.

Leio Crime e Castigo de Fiódor Mikhailovich Dostoiévski. E curto a minha Felicidade transitória e Clandestina, não é Clarice?

Tim, tim.

Grécia

Fico aqui trabalhando até mais tarde. Há horas em que sinto vontade de desistir. De repente,  o wmp toca a zorba. Meu Deus, juro que gosto desta música. Imediatamente sou transportada para a Grécia e penso no azul intenso do mar Egeu, na expressão alegre do povo helênico, na beleza dos senhores gregos. Lembro a dignidade que enxerguei no seu semblante, típica de pessoas que parecem realmente vir de um berço especial.

Lembro o ar de Atenas, a chegada ao porto de Pireus, parece que tudo ocorrendo como eu sempre sonhei, desde os 8 anos de idade, quando descobri através de Monteiro Lobato que a Grécia existia. Então me sento no chão de Olímpia, passo a mão nas pedras divinas e seculares. Na mesma hora, estou extasiada em Santorini e subo a montanha escarpada para ter a glória de enxergar aquele pôr-do-sol… ai, ai.

Eu vi o mar de Santorini na Grécia

Em poucos instantes, estou numa igreja bizantina, e olho maravilhada a pintura no teto em Corfú ou Tira.

Eu brincando com a foto de Santorini

Ai, vou trabalhar mais que quero voltar lá. Toca Zorba, toca… Enlaça-me na melodia e me conduz a Morfeu.

Estes pretendentes…

Da série : estes pretendentes eu não pretendo!

Protagonista número 01: divorciado, pai solteiro, mora com o baby. Está doido para arranjar uma mãe para o seu filho (eu , hein! Vá parir pra lá!). Advogado, professor e dono de um cachorro. Toca violão (uia!).

Ato falho / papo:

– Oi, moça… Blá , blá bláblá…

– Blá, blá, blá…etc e tal.

– Ah, você sabia que eu gasto R$250 a 256 reais no French Quartier toda semana ? 

 Fecham-se as cortinas: DELETE!